domingo, 13 de agosto de 2017

13ª Prova do Ano - IX TNLO -Óbidos






O TNLO é daquelas provas que me tocam muito.Por isso lá estive mais uma vez. Comigo foram dois amigos estreantes, o Ricardinho e o Luis, que, apesar do "empeno" gostaram muito da experiência.
Mantivemo-nos juntos e, graças a eles, não desanimei em alguns momentos, sobretudo, a partir dos 35 Km, em que a vontade de correr era pouca. 6,23 foi o tempo que demorámos a fazer os 42,800 do percurso. Surpreendentemente, fui chamado ao pódio, pois tinha sido o 3º  do escalão. Ainda não vi as classificações, mas não deviam ser muito mais de 3. Voltarei ao assunto.

domingo, 25 de junho de 2017

12ª Prova do Ano - 38ª Corrida das Fogueiras



É bom correr pela fresquinha. Peniche sabe-o bem. Acho que fiz a melhor marca do ano nos 15 Km.
Todos os resultados aqui.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Prova nº 11 - Corrida de S. João -Porto




Correr no Porto é sempre um enorme prazer. Usando o "cliché " habitual, mesmo sem estar preparado lá fui. Afinal eram só 15 Km, que diabo?

Felizmente, o calor da véspera, os 40 e tal graus que apanhámos na viagem ( e que teve como consequência os trágicos incêndios de Pedrógão Grande), não se fez sentir muito na Corrida, embora a temperatura aconselhasse a algumas cautelas. A organização, atenta a estas coisas, já se tinha prevenido, pondo colaboradoras à entrada da zona de partida, a aplicarem protector solar nas zonas mais expostas dos atletas e colocando  4 pontos suplementares de refrescamento, com auto-tanques dos Bombeiros  a tornarem mais suportável a canícula.

A Runporto tem sido exemplar no tratamento que dá aos atletas.

Antes da partida fez-se um sentido minuto de silêncio pelas  numerosas vítimas dos fogos que, depois de terem ceifado dezenas de vidas, ainda estavam a devastar as florestas e casas do centro do País.

A Corrida tinha como ponto de partida e de chegada o Cais do Calém, saindo-se no sentido de jusante,  retorno junto ao Castelo do Queijo, passagem pela partida aos 8 Km, ida até à Ribeira e volta, terminando à sombrinha do arvoredo daquele jardim.

Aquele percurso é-me bastante familiar, pois a Maratona e a Meia Maratona do Porto também o utilizam. Sempre a ver o Douro, aqueles 15 Km fazem-se bem, principalmente para quem for devagar, como eu, que demorei mais de 1,20h para os fazer. Mesmo assim, ainda deu para ficar na 1ª metade (Enaaaa).

Parabéns, Runporto.com. Parabéns Jorge Teixeira e sua magnífica equipa e muito obrigado pelos cuidados e pela atenção que deposita na Corrida, esta actividade tão importante e acessível a que cada vez mais gente vai aderindo.

Resultados completos aqui.


 

domingo, 4 de junho de 2017

Prova nº 10 - Corrida de Santo António






Sete vezes se fez esta Corrida e sete vezes a corri.Quando se gosta repete-se. Mesmo sem correr (nem treinar) desde o 1º de Maio, lá fui marcar a minha presença. E a verdade é que até nem correu muito mal, se bem que na 2ª metade tenha quebrado um bocadinho (um grande bocadinho) o ritmo, resultado de um mês de inactividade física.
Parti do grupo dos sub-50 minutos, convencido que muito dificilmente conseguiria este tempo, contudo, quando, aos 3 Km passo pelo marcador de ritmo dos 50' achei que talvez não fosse impossível.  E não foi. Terminei com 48,14.
Resultados completos aqui.

sábado, 20 de maio de 2017

E agora, Tomé ?




Seu teimoso!!! Andaste, andaste e tiveste que nos pregar esta partida! Mas não são horas de "sermões" (de que nunca gostaste) nem de te vir dizer coisas que devias ter feito por ti e não fizeste. A tua preocupação era sempre com os outros. Querias que à tua volta houvesse só pessoas felizes. Mesmo que tu estivesses de rastos. Esqueceste-te simplesmente de ti. Achavas que o que era preciso era que S. João das Lampas mostrasse que tinha gente capaz, mesmo que sozinho tivesses de te desdobrar em dez. O vazio que deixas, por mais que digam que ninguém é insubstituível, não irá facilmente ser ocupado por quem se disponha a entregar-se como tu às boas causas. Nada quiseste em troca do muito que deste. Tive a sorte de te ter como amigo desde os tenros anos de infância (em que partilhámos aventuras hilariantes que ainda há pouco recordámos), enquanto guardávamos as nossas ovelhas (e, às vezes, as perdíamos por causa da brincadeira) até ontem à noite, em que, mais uma vez, te fizeste forte na tua teimosia e não ligaste aos sintomas que tinhas. E agora? Como é que ficamos todos? Com a tua partida, Amigo, pões-nos à prova e, por muito que nos esforcemos, temo não encontrar ninguém que se desdobre em dez! E, mais do que isso, tens ideia do que é perder um Amigo tão especial como tu ? "Lixaste-me" bem, Tomé.